da esquerda pra direita: Zé Geraldo, Xangai e Francis Rosa, em cena do clipe “O Poeta e o Violeiro” (crédito foto: Daniel de Moura Pereira)
CulturaDestaqueFamososInternetMúsica

Zé Geraldo e Francis Rosa lançam ‘O Poeta e o Violeiro’

Na próxima sexta-feira, 24 de junho, chega nas plataformas digitais “O Poeta e o Violeiro”, single que celebra o encontro de Zé Geraldo e Francis Rosa, e dá nome ao álbum inédito que os artistas lançam no segundo semestre. Zé Geraldo e Francis Rosa também liberam o clipe “O Poeta e o Violeiro”, que tem a participação especial do cantador Xangai, no YouTube dos artistas e nas plataformas de vídeo da Amazon e da Apple.

“O Poeta e o Violeiro” abre com a declamação de Xangai e segue com Zé Geraldo e Francis Rosa cantando versos quase autobiográficos dessa parceria. “Era uma vez um poeta nascido em solo mineiro / Caminhando pela vida, cruzou com um violeiro / Um completou o outro feito a casa e o terreiro / Plantando e colhendo amor / Saíram do interior pra correr o mundo inteiro”, cantam o poeta e o violeiro que, em 2016, gravaram seu primeiro trabalho juntos, no DVD ao vivo “Canções e Versos” (Sol do Meio Dia/ Tratore). 

Além de Zé Geraldo (voz), Francis Rosa (voz, viola caipira e baixo) e Xangai (declamação), o single “O Poeta e o Violeiro” tem os toques de Rafael Schimidt (violão de nylon), João Lima (percussão), Daniel Blando (sanfona), e os vocais de Bia Tucci, Helena Badari, Nô Stopa e Tata Fernandes.

Zé Geraldo e Francis Rosa aproveitam para anunciar que o álbum “O Poeta e o Violeiro” chegará em formato LP e CD, além das plataformas de streaming. Mas antes disso, ainda lançam outros dois singles inéditos.

Por enquanto, os fãs já podem salvar o single em sua biblioteca, seguindo o link de pre-save: https://ingrv.es/o-poeta-e-o-violeiro-3eu-k, e se programar para conferir a estreia do clipe no dia 24 de junho, no canal do YouTube de Zé Geraldo (https://youtu.be/xmgEIkvDRjc) ou no canal de Francis Rosa (https://youtu.be/9G9P260xR-w). “O Poeta e o Violeiro” é um lançamento da Sol do Meio Dia, com distribuição da Ingrooves.

+ sobre o poeta e o violeiro

Zé Geraldo, nascido em Rodeiro, na Zona da Mata mineira, e criado em Governador Valadares, no Vale do Rio Doce, caiu na estrada cedo. Roqueiro da roça, o cantor e compositor construiu e consolidou sua carreira longe dos grandes holofotes da mídia e conta com um público fiel, que amplifica seus versos e lota os shows por onde passa. Hoje, aos 76 anos, contando mais de 40 anos de estrada, 19 álbuns e 3 DVDs lançados, além de coletâneas, participações e compactos, Zé Geraldo é bússola para uma nova geração de artistas. Canções como “Cidadão”, “Como Diria Dylan”, “Senhorita”, “Rio Doce” e “Milho aos Pombos”, indispensáveis no repertório de seus shows, fazem parte da história da música brasileira. 

Francis Rosa, nascido em Joanópolis, na Serra da Mantiqueira, em São Paulo, tem a viola caipira como principal base para suas composições. Violeiro, cantor e compositor, traz em seu repertório canções que traduzem seu amor e respeito pelas coisas simples da vida. Com 10 discos lançados, sendo 2 ao vivo, já se apresentou nos mais diversos eventos como praças, auditórios, teatros e manifestações culturais. Suas apresentações remetem os espectadores a um clima bucólico comumente vivido nas rodas de violas em frente a tantas fogueiras nos terreirões deste país. 

[letra]

O POETA E O VIOLEIRO

(Zé Geraldo e Francis Rosa)

Era uma vez um poeta nascido em solo mineiro

Caminhando pela vida, cruzou com um violeiro

Um completou o outro feito a casa e o terreiro

Plantando e colhendo amor

Saíram do interior pra correr o mundo inteiro

O poeta escrevia versos falando da vida vivida na contramão

O violeiro arrancava notas doídas, saídas da alma e do coração

Num caminho sem destino, sem rumo, sem direção

Cada canto uma saudade

Umas noites na cidade, outras noites no sertão

Oi, poeta!

Oi, violeiro!

Numa venda ou num boteco

Pela noite ou pelo dia

Emoção correndo solta no meio da cantoria

Alguém levantava a mão e gentilmente pedia:

– Poeta, rabisque um verso na parede, feito água, mata a sede, molha o corpo e rega a flor.

– Violeiro, senta o dedo na viola, isso é choro que consola. É remédio contra a dor.

Oi, poeta!

Oi, violeiro!

Era uma vez um poeta nascido em solo mineiro

Caminhando pela vida, cruzou com um violeiro

Um completou o outro feito a casa e o terreiro

Plantando e colhendo amor

Saíram do interior pra correr o mundo inteiro

[ficha técnica]

[CLIPE]

Com Zé Geraldo, Francis Rosa e Xangai

Captação de imagens, edição e finalização Totem Estúdio (Daniel Pereira e William Pereira)

Roteiro e direção Francis Rosa

Codireção Nô Stopa

Produção  Anie Stopa, Rebeca Gelschyn, Mônica Giacomini, Nô Stopa e Fabrício Rocha

Maquiagem Priscila Gomes

[ÁUDIO]

Zé Geraldo | Voz

Francis Rosa | Voz, viola caipira e baixo 

Xangai | Declamação 

Rafael Schimidt | Violão de nylon

João Lima | Percussão

Daniel Blando | Sanfona

Bia Tucci, Helena Badari, Nô Stopa e Tata Fernandes | Vocais

Produzido por Francis Rosa

 Produtora Fonográfica Sol do Meio Dia

Distribuição Digital Ingrooves

Gravado e editado no Tiatino Estúdio por Juninho Serafranny

Vocais gravados por Felipe Câmara no LabCamarada

Mixado por Gustavo Lenza no estúdio La Nave

Masterizado por Felipe Tichauer no Red Traxx Mastering

You may also like

More in:Cultura

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.