Cultura

Projeto Social “Dedo de Verso” lança disco com canções e poemas criados por crianças durante a pandemia

Trabalho inédito tem direção artística do músico e escritor Enzo Banzo, com produção musical e participação do Grupo EMCANTAR.

O disco “Dedo de Verso”, que chega às plataformas de streaming (Spotify, Deezer, iTunes, Amazon e Youtube), no dia 23 de julho, é um álbum infantil com 20 canções e poemas compostos coletivamente em oficinas remotas por 127 crianças do Triângulo Mineiro, em plena pandemia.

O álbum é resultado das atividades de formação do projeto “Dedo de Verso”, no qual crianças participantes de oficinas são estimuladas a criar canções e poemas em brincadeiras coletivas com a poesia da voz.

“As palavras partem da fala do dia a dia, em um dedo de prosa que vira dedo de verso, e que, nas diferentes vozes, se transforma em um canto diverso”, explica Enzo Banzo, diretor artístico do projeto e responsável pelas melodias das canções.

No disco, os textos criados pelas crianças são cantados e falados por artistas de reconhecida atuação na região: além de Enzo Banzo, o Grupo EMCANTAR, que também assina a produção musical; e os cantores Luiz Salgado e Kainã Bragiola.

Pandemia, esperança, curiosidade, diversão

Um álbum feito por criança, para criança, cantado para a moçada, cheio de imagens, curiosidades, divertido e ao mesmo tempo reflexivo. É assim o disco Dedo de Verso. Algumas canções revelam-se um importante retrato de como os participantes sentiram os impactos da pandemia em suas vidas, como é o caso da 5ª faixa do álbum, “ET na Quarentena”, cujo refrão gravado em coro pelo Grupo EMCANTAR diz:

essa quarentena / está mexendo com minha cabeça / daqui a pouco vou comer coxinha /

pensando que é a sobremesa / macarrão no copo / suco no prato, bolo no almoço / tomar

sorvete de ovo mexido / correr atrás da bola do cachorro.

Já na 2ª faixa do álbum, “Correria”, o dia a dia cansativo é contraposto pela esperança e afeto:

eu queria abraçar as pessoas de volta / eu queria um dia bem mais divertido / eu queria cantar dançando com os amigos.

“E assim o disco é entremeado por faixas também divertidas, como “Um dia de azar”, que abre o álbum saudando: “oi, eu vi um boi”; e peças líricas, belas e profundas, como a surpreendente “Houve um tempo em que eu fui você”, menciona também o ator e oficineiro do projeto, Rafael Michalichem, que juntamente com a escritora, Cleusa Bernardes, e Erika Moraes, abraçaram o desafio de produzir literatura com as crianças em plena pandemia.

A ideia inicial era que, após oficinas presenciais, os participantes apresentassem os textos cantados e teatralizados em saraus abertos à comunidade. “Porém, diante da impossibilidade desse formato por causa da pandemia, surgiu a ideia de adequação do projeto para a gravação do disco, que acabou se tornando uma grande surpresa positiva até mesmo para nós”, conta Enzo Banzo.

Além das oficinas de criação literária, as crianças puderam vivenciar a transformação da poesia em canção nos workshops “Letra Sobre Melodia” conduzidos pelo músico e diretor do projeto.

E depois de tudo isso, o resultado do trabalho ganhou o estúdio de gravação com arranjos e vozes profissionais, em uma produção musical que passeia por diferentes sonoridades, de violões a naipe de metais, passando por uma variedade de timbres. Entre as faixas cantadas, surgem textos falados ambientados em trilhas que geram climas poéticos na esfera do som.

“O projeto “Dedo de Verso” traduz nesse disco uma ideia de literatura para além do texto escrito, compreendendo o uso artístico da palavra pela voz, na fala ou no canto. O processo de incorporação da literatura passa, nesse sentido, por uma dessacralização da escrita do texto literário, que possibilita que o aluno se aproxime desta forma de expressão e que possa, pela própria voz, se projetar como sujeito de uma expressão artística e de uma visão de mundo. O título da faixa de encerramento resume essa ideia: “Geral Fala Isso””, enfatiza Enzo Banzo.

O que dizem as crianças

Julia Guedes Resende, de 12 anos, participou das oficinas do projeto e expressa como se sente com o resultado do processo: “Eu lembro do dia que eu escrevi o poema. Eu adorei o resultado dele, de como ficou na música. Ficou muito bom, muito melhor do que eu esperava. É uma honra ser a fonte dessa arte, eu gostei muito, do fundo do meu coração.”

José Antônio Moreira Junior, de 14 anos, é outro participante que também fez questão de deixar seu agradecimento: “Eu gostei muito de participar dessa grande oportunidade de criar música. Foi uma experiência que me fez ter novos conhecimentos e ver a capacidade que nós temos de criação. E vimos que o mundo musical é uma experiência que todos deveriam participar para ter conhecimento de criar as coisas. Muitas pessoas falam que não têm capacidade de aprender ou criar uma música, mas eu aprendi que qualquer pessoa com criatividade pode criar uma bela música e uma bela arte”.

As ações do projeto “Dedo de Verso” são viabilizadas pela Lei Estadual de Incentivo à Cultura de Minas Gerais, em parceria com o Programa Transforma e patrocínio do Instituto Algar. “Dedo de Verso” teve sua primeira edição em 2017, sendo retomado em 2020.

Os músicos do projeto

Enzo Banzo

Músico e escritor, Enzo Banzo tem 20 anos de carreira na banda Porcas Borboletas, com a qual lançou 4 discos e circulou pelo Brasil e exterior. Em seu trabalho solo, lançou os discos “Amor de AM” (Matraca Records, 2021), com composições autorais que flertam com o cancioneiro passional, e “Canção Escondida” (Matraca Records, 2017), em que apresenta versões musicadas de poemas de autores clássicos e contemporâneos, como Camões, Drummond, Leminski, Alice Ruiz, Clara Averbuck e Arnaldo Antunes. Como escritor, publicou o livro “Poesia Colírica” (Letramento, 2014, prefácio de Marcelino Freire), e pesquisa a relação entre poesia e canção popular, com trabalhos sobre Noel Rosa, Caetano Veloso, Oswald de Andrade e Jorge Mautner, dentre outros. Tem composições gravadas por Gustavo Galo (feat. Otto), Vitrola Sintética, Felipe Antunes, Diego Mascate, Daniela Borela e Emcantar.

Grupo EMCANTAR

Fazer arte e encantar pessoas! É assim que há 25 anos, a Cia. Cultural EMCANTAR combina Cultura e Educação, porque acredita que a arte tem o poder de encantar e inspirar as pessoas a vivenciar seus potenciais. Com duas frentes de atuação, o Grupo EMCANTAR e o EMCANTAR SOCIAL, realiza produções artístico-culturais e projetos sociais de formação para infância e juventude. Em mais de duas décadas, reúne mais de 400 mil pessoas em espetáculos, 20 mil crianças e adolescentes e pessoas da comunidade beneficiados em projetos sociais, mais de 100 projetos desenvolvidos, além de 10 títulos e premiações e o recente lançamento do livro Pedagogia do Encantamento, que sistematiza as metodologias e práticas culturais educativas desenvolvidas pelo EMCANTAR em sua trajetória.

Luiz Salgado

Cantadô, compositor do cerrado mineiro, nascido em Patos de Minas (MG), tem oito álbuns lançados. A viola, companheira por mais de duas décadas, dá o tom para a folia de reis e o congado, tradições populares brasileiras que permeiam a vida do artista.

Kainã Bragiola

Kainã Bragiola é “cantautor” e artista visual. Natural de Jaboticabal, iniciou sua trajetória no nas artes através do desenho. Já participou de diversos eventos no interior de SP, Triângulo Mineiro, BH e Florianópolis. Lançou seu 1º EP, Retrato de um Artista quando Pobre, em 2016, e o 2º – ÊRÊ – em 2019. Faz parte da Cia EMCANTAR como ator, músico e educador. Já colaborou com artistas importantes como: Enzo Banzo, Vaine e Nathania Borges. Como Artista Visual produziu Capas para Singles, Eps e Álbuns. Fez trilha sonora, cantou em festivais, expos desenhos/pinturas, vendeu arte na rua, foi garçom, fez pesquisa de trânsito, foi moldureiro e empacotador durante sua vida de artista.

Sobre o Instituto Algar

Por acreditar que a educação é o caminho que vai levar o Brasil a uma realidade melhor, o Grupo Algar investe, desde 1994, em programas sociais voltados à comunidade. Ao longo dos anos, estes programas cresceram e, em 2002, passaram a ter a gestão do Instituto Algar, que hoje atua nas frentes: educação, cultura, esporte e voluntariado. Instituto Algar – conectando pessoas às oportunidades.

Acesse: projetodedodeverso@gmail.com / @dedodeverso https://www.youtube.com/channel/UCF00OTi3qspCb_OOV3FPWKg

You may also like

More in:Cultura

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *