Dia da Natureza: que benefícios o viver perto dela pode trazer à mente dos jovens?

4 min. leitura
Photo by Jacob Colvin on Pexels.com

A terça-feira 04 de outubro é marcada pela celebração do Dia da Natureza. Apesar de boa parte de seu corpo ter sido engolido pelo avançar das zonas urbanas, ela ainda ocupa grandes espaços em grandes países, como por exemplo o Brasil.

Em tempos que transtornos, sobretudo de ansiedade afetam tantos jovens e adolescentes, sobretudo pelo ritmo acelerado das cidades, reservar um tempo junto à natureza pode aliviar e muito algumas tensões. Isso é o que confirma o Pós PhD em Neurociência Prof. Dr. Fabiano de Abreu Agrela, que explica de forma mais técnica e científica que impulsos o estar perto do verde pode trazer à nossa mente.

“Carregamos em nós o nosso código genético ao nascer. O esfenóide é o ponto de partida da formação de todos os ossos e guarda a eva mitocondrial, a hipófise. Onde serve de precursor da nossa impressão genética, a memória primitiva. O elo de ligação entre os instintos e o inconsciente que se encontra na mente em nosso cérebro.

Fabiano defende que nosso comportamento é o resultado da nossa necessidade ancestral: “Se nos falta algo que não sabemos responder, se nos comportamos de uma maneira sem entender o motivo, lembre-se que não há perguntas sem respostas. Tudo tem um motivo, uma razão e através delas as circunstâncias. Todo o nosso presente é resultado de um passado.”

Como respostas para o equilíbrio emocional, o neurocientista diz que a natureza e outros fatores ancestrais podem ser determinantes: “Tenta em um engarrafamento buscar a natureza e refletir sobre ela. Busque o cheiro das flores ou das plantas e sinta como é relaxante. Não é somente o fato de convivermos com a natureza milhares de anos, somos a natureza. Nosso corpo é formado por carbono(23%), enxofre(0,2%), cálcio(1,4%), fósforo(0,83%), nitrogênio(2,6%), água(55%), potássio(0,2%), cloro e sódio(0,27%) e metais(0,009%) ou seja, nós fazemos parte dela. Se unirmos a nossa composição corporal que é formada por elementos da natureza e nosso instinto que está vinculado a milhares de anos de convivência, o resultado é como o de uma mãe. Não é à toa que chamamos de mãe natureza pois, é nela que encontramos o conforto de quem nos gerou.”

Para o neurocientista, temos um código genético determinado que nos vincula à necessidade de interações como a humana e com a natureza. Que quando burlada, gera pendência e esta funciona como ansiedade. Por isso a natureza é relaxante e ameniza o excesso de ansiedade.


Sobre o Prof. Dr. Fabiano de Abreu Agrela

Dr. Fabiano de Abreu Agrela Rodrigues, é um Pós PhD em neurociências, mestre em psicologia, licenciado em biologia e história; também tecnólogo em antropologia com várias formações nacionais e internacionais em neurociências. É diretor do Centro de Pesquisas e Análises Heráclito (CPAH), Cientista no Hospital Universitário Martin Dockweiler, Chefe do Departamento de Ciências e Tecnologia da Logos University International, Membro ativo da Redilat – La Red de Investigadores Latino-americanos, do comitê científico da Ciência Latina, da Society for Neuroscience, maior sociedade de neurociências do mundo nos Estados Unidos e professor nas universidades; de medicina da UDABOL na Bolívia, Escuela Europea de Negócios na Espanha, FACMED – Faculdade de Medicina no Brasil, investigador cientista na Universidad Santander de México, membro FIEPS e membro-sócio da APBE – Associação Portuguesa de Biologia Evolutiva. Membro de 4 sociedades de alto QI, entre elas a Mensa International e a mais restrita do mundo Triple Nine Society.

Deixe um comentário
Cadernos
Institucional
Colunistas
andrea ladislau
Saúde Mental
Avatar photo
Exposição de Arte
Avatar photo
A Linguagem dos Afetos
Avatar photo
WorldEd School
Avatar photo
Sensações e Percepções
Marcelo Calone
The Boss of Boss
Avatar photo
Acidente de Trabalho
Marcos Calmon
Psicologia
Avatar photo
Prosa & Verso