AgendaCulturaDestaqueEventoTeatro

Coordenador do Grupo Prerrogativas debate com Promotora de Justiça, Presidente do Instituto Justiça de Saia, após sessão de A Pane

Após a sessão do espetáculo “A Pane” do domingo, dia 22 de maio, no Teatro Faap, a promotora Gabriela Mansur, presidente do Instituto Justiça de Saia, debate com o advogado Marco Aurélio de Carvalho, coordenador do Grupo Prerrogativas, sobre aspectos jurídicos da encenação. Os debatedores irão fazer um paralelo entre o texto da peça, de Friedrich Dürrenmatt, e o atual sistema de justiça brasileiro.  

A experiência de debates após o espetáculo foi realizada com grande sucesso na primeira temporada (janeiro/ fevereiro), quando participaram nomes de relevância do universo jurídico, como Augusto de Arruda Botelho, Alamiro Velludo, Veronica Sterman e Alberto Toron.

Nessa segunda temporada, a produção do procura ampliar o debate para outras áreas do conhecimento refletidas na peça, como a psicologia e filosofia. No dia 07.05.2022 foi realizado um debate sobre psicologia com o psicólogo Jorge Forbes e o ator Oswaldo Mendes; já no dia 14.05.2022 o tema discutido foi literatura e teatro, com o filósofo Diego Viana e o jornalista de literatura Manuel Costa Pinto.

O debate do dia 22.05.2022 volta com a temática jurídica, agora trazendo perspectivas de temas como o machismo nos tribunais e a aleatoriedade de justiça.

SOBRE A PEÇA

O espetáculo “A Pane”, sucesso de crítica e público, inspirado no conto do escritor suíço Friedrich Dürrenmatt e dirigido por Malú Bazán, volta ao palco do Teatro Faap para mais uma temporada, entre os dias 6 de maio e 12 de junho. O elenco traz Antonio Petrin, Oswaldo Mendes, Heitor Goldflus, Roberto Ascar, Cesar Baccan Marcelo Ullmann.

Ao chamar de “A Pane” seu conto (depois transformado em teatro), Dürrenmat não estava só pensando na falha mecânica de um Jaguar, que leva o protagonista a uma situação inesperada. A pane também diz respeito a este nosso mundo, repleto de imperfeições e catástrofes, de falhas da Justiça, de culpas e desculpas. Dürrenmat é daqueles autores que divertem e dão o que pensar.

A situação é inusitada. Um jogo em que octogenários juristas aposentados encenam suas antigas ocupações e, como diz o juiz anfitrião, agora não mais presos “a formas, protocolos, leis e todo o entulho inútil dos tribunais”. Neste jogo eles enredam um próspero representante comercial. Qual o seu crime? Não importa: “crime é algo que sempre se pode encontrar”.

Ao brincar de tribunal, os personagens nos fazem questionar o conceito de justiça, o sistema de Justiça, e este nosso mundo “de inocentes com culpa e culpados sem culpa”. A encenação reúne atores de várias gerações, para falar, não de uma história antiga, mas de “uma história ainda possível”, como o autor a qualifica.

Divirtam-se!

SOBRE OS DEBATEDORES:

Gabriela Mansur éPromotora de Justiça e ativistacom mais de 20 anos de trabalhos dedicados à defesa dos direitos das mulheres. É uma das vozes mais atuantes deste tema no Brasil. Idealizadora de vários projetos e de políticas públicas de empoderamento feminino, igualdade, acesso à Justiça, prevenção e combate à violência contra as mulheres, é Presidente do Instituto Justiça de Saia.

É Formada pela PUC/SP, Mestranda em Direito Político e Econômico pelo Mackenzie e Especialista em Violência Doméstica pela Universitá di Roma, na Itália.

Promotora de Justiça desde 2003, atualmente é membro colaboradora na Ouvidoria das Mulheres do Conselho Nacional do Ministério Público; Coordenadora Geral da Comissão de Mulheres (CONAMP-Associação Nacional de Membros do Ministério Público); Diretora das Mulheres da Associação Paulista do Ministério Publico; idealizadora do Movimento Nacional de Mulheres do Ministério Público e uma das integrantes do Grupo de Atuação Especial de Enfrentamento à Violência Doméstica do Ministério Público do Estado de São Paulo (GEVID).

Marco Aurélio de Carvalho é um advogado e articulista brasileiro atuante na defesa das prerrogativas profissionais dos advogados e no direito de defesa, fundador da Associação Brasileira de Juristas pela Democracia (ABJD) e do Grupo Prerrogativas. Em janeiro de 2020 seu nome foi incluído entre potenciais pré-candidatos à Prefeitura de São Paulo, segundo informações divulgadas nos principais jornais do Brasil.

Marco Aurélio de Carvalho é formado em direito pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP) em 2001 e foi presidente do Centro Acadêmico “22 de Agosto”, entidade representativa dos estudantes da Faculdade de Direito da instituição, em 1999. Atualmente é secretário de relações públicas da Comissão de Direito Notarial e Registros Públicos da OAB-SP e membro da Comissão de Proteção de Dados e Privacidade da OAB-RJ. É membro do Sindicato dos Advogados do Estado de São Paulo.

A partir de 2017, Marco Aurélio de Carvalho inicia sua atuação como articulista publicando em alguns dos principais veículos de mídia do país incluindo Folha de S.PauloO Estado de São PauloPoder 360Congresso em FocoBrasil 247, e veículos especializados como Consultor Jurídico, Migalhas e JOTA.

Participa da fundação da Associação Brasileira de Juristas pela Democracia (ABJD) em maio de 2018 e do Grupo Prerrogativas em 2019. Tais entidades assumem relevância no debate nacional em torno de questões como o processo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, o Pacote Anticrime aprovado pelo Congresso Nacional em dezembro de 2019, a polêmica em torno do jornalista Glenn Greenwald e do episódio da Vaza Jato e a investigação do assassinato de Marielle Franco.

Sobre o autor do espetáculo

Dürrenmatt (Konolfingen, 5 de janeiro de 1921 – Neuchâtel, 14 de dezembro de 1990) foi um escritor suíço. Embora possua grande fama por sua obra como dramaturgo foi também um prolífico contista e romancista.

Politicamente ativo, o autor escreveu dramas vanguardistas, profundos romances policiais, e algumas sátiras macabras. Um de seus principais bordões era: “Uma história não está terminada até que algo tenha dado extremamente errado”.

Como Brecht, Dürrenmatt explorou as vertentes do teatro épico. Suas peças visavam envolver o público a um debate teórico, e não somente ser entretenimento puramente passivo.

Quando tinha 26 anos, sua primeira peça, “Está Escrito”, (em alemão “Es steht geschrieben”), estreou causando grande controvérsia. A história da peça se passa em torno de uma batalha entre um cínico obcecado pelo sucesso e um religioso fanático que leva as escrituras ao pé da letra, tudo isto acontecendo enquanto a cidade em que vivem está cercada. A noite de estréia da peça, em abril de 1947, causou confusão e protestos por parte do público.

Na década de 50, com o conto “A Pane”, chegou ao que muitos consideram o auge de sua capacidade estilística e narrativa.

Morreu em 1990, considerado como um dos grandes narradores e dramaturgos de sua geração.

SINOPSE

“A Pane” é uma comédia sobre a justiça. Hóspede inesperado se transforma em réu de um jogo em que juiz, promotor, advogado e carrasco aposentados revivem suas profissões. Uma fábula que fala dos nossos dias. No elenco, um encontro de gerações.

FICHA TÉCNICA

Texto: Friedrich Dürrenmatt

Tradução: Diego Viana

Direção: Malú Bazán

Elenco: Antonio Petrin, Cesar Baccan, Heitor Goldflus, Marcelo Ullmann, Oswaldo Mendes e Roberto Ascar

Concepção cenográfica: Anne Cerutti e Malú Bazán

Figurino: Anne Cerutti

Assistente de figurino e cenário: Adriana Barreto

Cenotécnico: Douglas Caldas

Desenho de luz: Wagner Pinto

Música Original: Dan Maia

Operador de luz: Jonas Ribeiro

Operador de som: Pietro Machicao

Fotos: Ronaldo Gutierrez

Visagismo: Dhiego Durso

Programador Visual: Rafael Oliveira

Assessoria de Imprensa: Pombo Correio

Diretor de Produção: Cesar Baccan

Produtor executivo: Marcelo Ullmann

Assistente de Produção: Rebeca Oliveira e Lúcia Rosa

Co-Produção: Kavaná Produções

Produção e Realização: Baccan Produções

SERVIÇO

# A Pane, de Friedrich Dürrenmatt, com direção de Malú Bazán

TEATRO FAAP – Rua Alagoas, 903

Debate: 22 de maio às 18h

Temporada: de 6 de maio a 12 de junho de 2022;

Sextas-feiras às 21h; sábados, às 20h; domingos, às 18h. 

Ingressos: Sábados e domingos; R$ 80 (inteira) e R$ 40 (meia-entrada). Sextas; R$ 60 (inteira) e R$ 30 (meia-entrada).
Bilheteria física: TEATRO FAAP – Rua Alagoas, 903 – Higienópolis, São Paulo – SP, 01242-902, de quarta a sábado, das 14h às 20h. Domingo das 14h às 17h. Em dias de espetáculos até o início da apresentação.

Compras pelo site: https://teatrofaap.showare.com.br/  

Informações / Televendas: 11 3662-7233 / 11 3662-7234

Duração: 70 minutos   

Classificação: 14 anos  

Capacidade: 477 lugares

You may also like

More in:Agenda

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.