Alguns poemas de Vide versos

9 min. leitura

Outros poemas deste livro poderão ser lidos em www.wanderlinoteixeira.com.br

Ambivalência

             Diante desse tudo

             ou desse quase nada

             não sei se volto ao caminhar miúdo

             ou solto o pé na estrada.

             Se desato o laço dessa corda bamba

             ou ato o nó na alça da caçamba.

             Se queimo vida nesse fogo-fátuo

             ou se de fato tento nova ida.

             Se afasto o tule dessa nova ela

             ou se entulho a talha com esse vinho velho.

             Se curto o corte dado no baralho

             ou meto o mano e me amortalho.

             Se mato o mito que se mete em mim

             ou se me omito e me torno mudo

             diante desse nada

             ou desse quase tudo.

Enigma

             Diga, mano:

             Você, que no lombo da vida fincou espora,

             que viu sangrar a ferida,

             que sentiu o pranto secar,

             diga para mim,

             equacione o problema:

             é a vida axioma ou teorema a vida é?

             Me apresente solução:

             carece ou não carece de ampla demonstração?

             Diga, mas diga já,

             se tiro água da pedra

             ou aguardo a hora da queda,

             se me retiro de cena

             ou se recito a novena.

             Antes que desça o pano,

             diga, mano,

             com a coragem de quem assume,

             com a ousadia de quem aposta,

             que mesmo acendendo o lume

             você não tem a resposta.

Transe

             Transe uma esperança marota

             de que volte o coreto à praça

             transformando a agonia

             na alegria da massa.

             Transe uma esperança vadia

             de que a noite em dia se faça

             transformando a hora do caçador

             no sublime momento da caça.

             Mas não creia piamente

             que caça possa de fato caçar,

             não fique apenas na crença

             esperando clarear

             nem almeje alegria vasta.

             Transe enfim mais nessa dança.

             Só esperança não basta!

Poema para o respeitável público

             No meio do picadeiro,

             berro palavras para sádica plateia ávida de emoção.

             Inicia-se a função!

             Da cartola da infância, retiro sonhos para o meu sustento

             (cena de um quase nada,

             coloridas ilusões carregadas pelo vento,

             escapulidas pela lona esburacada).

             No quadro da adolescência sou equilibrista e palhaço.

             Busco vergar o aço, ouço a risada da pista,

             despudorada, sem complacência.

             Na metade do espetáculo, já não meço obstáculo:

             arrisco-me no espaço,

             empunho espadas aguçadas,

             domo feras desdentadas,

             mas não fujo tanto assim da figura do arlequim.

             Entre palmas e apupos, prorrogo a encenação,

             pois no final da função,

             no triste abaixar do pano,

             mágico, palhaço, equilibrista, domador,

             juntos estarão,

             unidos na mesma dor.

O homem de La Mancha

             Dispa seu terno,

             vista sua armadura de vinil,

             erga seu escudo de acrílico,

             empunhe sua espada de isopor,

             enfrente os luminosos moinhos da cidade

             e tudo que o espera.

             Seja breu e claridade,

             seja santo, seja fera.

             Oh, fidalgo do asfalto,

             Quixote moderno!

             Contrate para sua andança

             um esbelto Sancho Pança

             e um fogoso Rocinante.

             Mastigue esperança vã,

             engula essa panaceia:

             em cada esquina uma Dulcineia

             alucinante e sem sutiã.

             Faça agora como o parceiro de outrora:

             seja espantalho e papão,

             viva louco e morra são.

Apologia da solidão

             Em meio à multidão,

             diluído na incerteza dos conflitos,

             respirando angústias,

             deixo de ser eu mesmo para ser todos.

             Em meio à multidão,

             perco a unidade,

             ganho alma urbana.

             Em meio à multidão,

             absolvo

             se aquele olhar me pareceu sereno,

             condeno

             se aquela voz não me agradou.

             Em meio à multidão,

             aprecio,

             repudio,

             admiro,

             menosprezo,

             aponto desapontos.

             Em meio à multidão,

             deixo de ser alguém.

             Estando só, reintegro-me.

             No isolamento, volto a ser gente

             Na solidão sou todos

             sem que precise ser alguém.

Fecundação

             O orvalho resvala na relva,

             roça de leve o talo,

             mas logo a terra trata de tragá-lo.

             Persistente, umedece a semente,

             que no ventre da terra, adormecida,

             encerra, silente, a Vida.

Funeral

             Finda o fúnebre cortejo.

             Vejo anjos no mausoléu,

             mas não antevejo o céu.

Espelho

             Encurte do passado essa distância,

             encolha essa lonjura do futuro,

             avoque enfim o desafio

             de, atando as pontas desse fio,

             enfocar o tempo em nova dimensão.

             Trate de trocar trilhos por trilhas,

             ouse dispersar velhas quadrilhas,

             arrisque atiçar mancos demônios,

             busque convocar duendes tantos,

             tente enxugar todos os prantos

             na hora de encarar sem entretantos

             seus medos, seus sustos, seus espantos.

Stop

             Vamos ficar

             no tanto faz como tanto fez.

             Vamos pensar

             que tudo foi como tem que ser.

             Vamos crer

             ter sido na hora certa,

             antes que nossas dores

             se tingissem das mesmas cores,

             antes que nossos passos

             nos levassem para o descompasso,

             antes que entre nós

             se fizesse uma distância,

             se criasse uma ausência,

             se formasse uma descrença

             e tudo se afastasse,

             tudo se desfizesse,

             tudo se destruísse.

             Vamos acreditar ter sido melhor assim:

             o final antes do fim.

Elaboração

             Não peço régua e compasso,

             me desfaço da trena.

             Meu passo, não meço.

             Se tropeço, refaço a cena.

Vide versos

             Cate esses versos esparsos,

             faça com eles como o pintor faz com traços.

             Teça uma trova, um haicai, um soneto,

             um épico, um poemeto.

             Vista capa de vate, trate de versejar!

             Não sabe arrumar a rima,

             nem se anima a metrificar?

             Tem nada não:

             use então versos brancos,

             mas não deixe assim dispersos

             versos tantos.

(Con) vivência

             Quem não procura camuflar seus arremedos?

             Quem não se envolve na teia dos enredos?

             Quem não se atrela ao reboque dos seus medos?

             Quem não se impõe fugas e degredos?

             Quem não se asila em cavernas e rochedos?

             Quem não cultiva íntimos segredos?

             Quem não convive com seus feudos, com seus ais?

             Quem, dentre os mortais?

vide versos
Vide versos. Wanderlino Teixeira Leite Netto. Shogun Editora e Arte Ltda. 1986

Wanderlino

Wanderlino Teixeira Leite Netto nasceu na cidade do Rio de Janeiro (RJ), no dia 28 de julho de 1943. Reside em Niterói (RJ) desde os quatro anos de idade.

Administrador (bacharelado e licenciatura plena), exerceu a profissão na Petrobras. Aposentou-se em 1993.

Já publicou 25 livros, três deles virtuais. Seu fazer literário abrange poesia, crônica, conto, ensaio, biografia e pesquisa histórica.

Cofundador da Associação Niteroiense de Escritores (ANE). Na categoria de membro correspondente, pertence a várias instituições literárias.

Para saber mais a respeito de seus escritos, acesse www.wanderlinoteixeira.com.br

4 Comentários
Cadernos
Institucional
Colunistas
andrea ladislau
Saúde Mental
Avatar photo
Exposição de Arte
Avatar photo
A Linguagem dos Afetos
Avatar photo
WorldEd School
Avatar photo
Sensações e Percepções
Marcelo Calone
The Boss of Boss
Avatar photo
Acidente de Trabalho
Avatar photo
Prosa & Verso