Do Sol para o Seu Bolso: Como a energia solar está transformando a fatura de energia no brasil

4 min. leitura

*Kim Lima, Diretor de Comercial e Marketing da Evolua Energia

Atualmente, o Brasil vive um cenário de transformação dentro da sua matriz energética. Com a necessidade de diversificar as suas fontes de energia, principalmente pela preocupação com a sustentabilidade do planeta, o país tem se aproveitado do surgimento de novas tecnologias para encontrar meios de suprir a sua alta demanda a partir de fontes renováveis.

Diante desse contexto, a energia solar vem aparecendo como uma forte candidata à protagonista. Gerada a partir dos raios solares, ela pode ser captada diretamente nas residências ou nas usinas por meio da geração distribuída, método em que a energia captada no local é inserida nas companhias de distribuição e compartilhada entre os consumidores cadastrados no serviço.

Além do baixo impacto ambiental, uma vez que se trata de uma fonte renovável e que não emite poluentes durante o processo de geração, a energia solar também se destaca por conseguir trazer economia na conta de luz dos brasileiros.

Até por conta desse contexto, o mercado fotovoltaico não para de crescer no país. Mais de 88% da capacidade instalada na matriz elétrica brasileira neste ano têm origem nas fontes solar e eólica. De acordo com a ANEEL (Agência Nacional de Energia Elétrica), de janeiro até agora, a expansão da capacidade instalada da matriz elétrica foi de 7 GW, sendo que 6,2 GW foram solar (3 GW) e eólica (3,2 GW). Além disso, os investimentos na área vão superar a marca de R$ 56 bilhões, enquanto mais de 300 mil novos empregos serão gerados no setor até o final de 2023.

Não é à toa que o país hoje ocupa a 8ª colocação no ranking mundial de produção de energia solar, além de somar mais de 20 mil empresas voltadas para a geração fotovoltaica. Todo esse panorama, somado ao avanço intenso da tecnologia, contribui para que a fonte de energia se torne cada vez mais acessível à população. De acordo com dados publicados pela Absolar, o custo médio de um módulo fotovoltaico caiu cerca de 80% durante a última década.

No entanto, há de se destacar que o atual nível da disrupção inerente ao mercado fotovoltaico é tanta que já é possível os consumidores também aproveitarem os benefícios sem nem mesmo precisar instalar placas solares no imóvel. Graças ao modelo chamado de geração compartilhada, em que a energia limpa é captada em parques solares e depois inserida na rede da distribuidora da região, a população consegue desfrutar do benefício através de uma adesão simples e gratuita.

Assim, a companhia que oferta esse tipo de serviço promove economia a curto prazo, sem a necessidade de investimento em equipamentos ou de possíveis adaptações na casa.

Por todas essas razões, o Brasil está bem posicionado para aproveitar todo o potencial da energia solar. Pela maturidade e o rápido avanço que o mercado vem demonstrando, a tendência é de que as instalações e equipamentos fotovoltaicos fiquem ainda mais baratos nos próximos anos, fazendo com que mais pessoas a utilizem. Com esse cenário, quem só tem a agradecer é o meio ambiente e o bolso da população.

*Kim Lima é Diretor de Comercial e Marketing da Evolua Energia, uma das principais empresas líderes em transformação energética no Brasil, especializada em gestão distribuída compartilhada.

Cadernos
Institucional
Colunistas
andrea ladislau
Saúde Mental
Avatar photo
Exposição de Arte
Avatar photo
A Linguagem dos Afetos
Avatar photo
WorldEd School
Avatar photo
Sensações e Percepções
Marcelo Calone
The Boss of Boss
Avatar photo
Acidente de Trabalho
Avatar photo
Prosa & Verso