clear glass candle holder
Photo by Irina Anastasiu on Pexels.com
ComportamentoCulturaDestaqueJanice MansurLiteraturaSensações & Percepções

Como pode se dar o luto?

Tem-se falado muito no luto dos relacionamentos. Depois daquele enorme love story que vivemos, da paixão arrebatadora ao amor em todas suas fases, as pessoas “do nada” começam a enxergar o defeito dos parceiros. Mas isso não é bem enxergar, pois nunca fomos de fato cegos. Isso é cair na real, como eu chamo. A pessoa começa a dar conta de sua realidade, de que o cara não é o príncipe do conto de fadas nem ela é a cinderela que vai deixar o sapatinho de cristal na escada, nem o telefone de contato, nem o Instagram. O que você pensa que seja um relacionamento? O amor? A paixão ou apaixonamento? Isso você pode ler no meu último artigo no Jornal Notícias em Português em seu site. Aqui vamos falar um pouco sobre o depois.

Como curar a dor da perda? Como superar o fim?

Embora a dor de amor ou o luto seja matéria-prima para a cultura, para filmes românticos, tipo Romeu e Julieta, Ghost entre outros, raramente as perguntas não facilmente respondidas que nos restam são sobre: e como curar a dor da perda? Como superar o fim? Quando isso vai passar? Posso sobreviver sem a outra pessoa? O que devo fazer para melhorar? Como faço para esquecer?

Em primeiro lugar, o que geralmente acontece é que a outra pessoa, porque está à distância de nós, torna-se novamente uma pessoa desejada, pois só lembramos de suas qualidades, não há defeitos a distância, ela torna-se perfeita. Isso dificulta mais ainda a nossa descida à Terra dos mortais, pois tudo o que diz respeito à paixão e ao amor, principalmente quando este é idealizado, é bem complicado de se desvencilhar.

Vou deixar esta poesia aqui e deixá-los a pensar. Comentem abaixo o que você entendeu da poesia e o que faz sentido para você ou não. Você já passou por algo parecido? Já se sentiu dessa forma aí? A que tipo de luto o eu lírico se refere? O que ele espera?

Daí fico devendo para o próximo texto as respostas possíveis para as perguntas anteriores.

Não choro mais

Meu luto já foi feito

Não me lamento

Contorceria esse meu peito exausto de esperar

Esperar pela mudança, uma transformação…

Fatiga

Em minhas memórias sonhos vãos

Alicerçar sobre os escombros pretensa arquitetura?

Sem ternura maior por si

não se pode pensar em construção

Não choro mais

O pranto é findo

E eu vou indo como Deus quiser

Porque, no fundo, essa grande escolha

Só acontece no caminho

Por meus desejos de menina

Por meu consenso de mulher


Janice Mansur é escritora, professora, revisora de tradução, criadora de conteúdo e psicoterapeuta (atendendo online).

Canal do Youtube: BETTER & Happier Instagram: @janice_mansur

You may also like

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.